Sportswear ganha velocidade

By 2 Fevereiro, 2014 Geral No Comments
desporto

Depois de um ano de 2013 desastroso, com uma quebra de 4% das vendas, as previsões revelam que o sportswear pode ganhar dinamismo este ano, graças, em parte, à maior visibilidade trazida pelos Jogos Olímpicos de Inverno e ao entusiasmo dos adeptos que o Campeonato do Mundo de Futebol arrasta.

O Campeonato do Mundo de Futebol e os Jogos Olímpicos de Inverno que se realizam este mês em Sochi, na Rússia, deverão ajudar as vendas de sportswear a recuperar em 2014, depois das temperaturas anormalmente quentes no inverno terem prejudicado a procura de equipamentos para o frio na Europa.

A Federação Mundial da Indústria de Artigos de Desporto, que inclui empresas como as líderes de mercado Nike, Adidas e Puma, antecipa um crescimento entre 3,5% e 4% este ano, revelou o presidente Frank Dassler. «Já vemos que a procura nos retalhistas por artigos de futebol está a crescer fortemente e esperamos um crescimento ainda maior», acrescentou Dassler.

A Federação representa empresas com um volume de negócios aproximado de 200 mil milhões de euros, cerca de três quartos da indústria de sportswear.

A indústria beneficiou de uma mudança para estilos de vida mais ativos, levando a um crescimento mais rápido do que na indústria de vestuário em geral nos últimos anos. Também viu um aumento da concorrência, com a entrada de novos players no mercado, incluindo os retalhistas de moda Uniqlo, Gap e H&M (ver H&M compete no sportswear).

Embora os Jogos Olímpicos de Inverno, que começam na sexta-feira, 7 de fevereiro, devam ter um impacto mensurável menor nas vendas do que o Campeonato do Mundo de Futebol, Dassler acredita que ainda assim ajudarão a melhorar a notoriedade dos produtos.

Os retalhistas de desporto europeus estão menos otimistas depois de um ano de 2013 desapontante, com as vendas a deverem crescer 1% a 3%, de acordo com Werner Haizmann, presidente da Federação Europeia de Artigos de Desporto FEDAS. «O inverno esteve totalmente ausente. Isso foi uma catástrofe», justificou Haizmann, estimando que as vendas europeias tenham caído 4% em 2013, para 36 mil milhões de euros, incluindo na Alemanha, onde deverão ter diminuído 2%, para 7,2 mil milhões de euros.

Fonte: Portugal Têxtil